P

 PRESENTES PARA O REI

 

“Depois que Jesus nasceu em Belém da Judéia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: “Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no oriente e viemos adorá-lo”.

Depois de ouvirem o rei, eles seguiram o seu caminho, e a estrela que tinham visto no oriente foi adiante deles, até que finalmente parou sobre o lugar onde estava o menino. Quando tornaram a ver a estrela, encheram-se de júbilo.  Ao entrarem na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram. Então abriram os seus tesouros e lhe deram presentes: ouro, incenso e mirra.”  (Mateus 1 e 2 – Bíblia NVI)

 

Quem eram os magos? Eram homens eruditos, sábios que se destacavam na matemática, na astronomia, astrologia, alquimia e religião. Costumavam ser conselheiros das cortes reais, e um dos deveres era estudar as estrelas a fim de antecipar o nascimento de qualquer novo governante que pudesse ameaçar o reino.

 

OURO foi um dos presentes trazidos pelos magos. No templo de Jerusalém Deus mandou revestir de ouro o Santo dos Santos, o lugar onde manifestava sua presença. Lá ficava a arca da aliança, que também era revestida de ouro. As bacias e vasos usados nos cultos eram feitos de ouro. O ouro é um metal precioso, de grande valor, simboliza realeza. A nova Jerusalém descrita em Apocalipse é toda de ouro, inclusive suas ruas.

No reino de Deus, OURO simboliza pureza, santidade. Assim deverá ser a vida do servo do Senhor: pura e preciosa, como o ouro purificado pelo fogo.

O INCENSO é obtido da resina de uma árvore odorífera, que depois de seca é moída. Ao ser queimado libera um agradável perfume. No templo de Jerusalém era feito com várias plantas e colocado no altar do incenso. Todos os dias eram feitos sacrifícios de animais, por isso o incenso era queimado de manhã e à tarde, perfumando o ambiente.

O apostolo Paulo disse: “graças a Deus, que sempre nos conduz vitoriosamente em Cristo e por nosso intermédio exala em todo lugar a fragrância do seu conhecimento; porque para Deus somos o aroma de Cristo entre os que estão sendo salvos”. (II Cor. 2:14-16 – Bíblia NVI)

Assim como o nosso corpo se não for higienizado exala mau cheiro, também uma pessoa carnal, escrava do pecado, exala mau cheiro diante de Deus, cheiro de morte. Mas quando recebemos Jesus passamos a ter fragrância de vida. Quanto mais nos parecermos com o Filho, mais agradáveis diante do Pai.

A MIRRA é uma substância aromática que se ajuntava ao óleo usado para ungir os sacerdotes. Servia também para perfumar as vestes e os leitos. Quando Jesus estava na cruz ofereceram-lhe vinho com mirra como anestésico, mas ele recusou beber. A mirra foi usada para ungir o corpo de Jesus e também era usada para embalsamar os mortos.

O apóstolo Pedro disse que os filhos de Deus são “sacerdócio real… povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” (II Pe. 2)

Fomos ungidos como o óleo do Espírito para levar as pessoas a buscarem a Deus. O Espírito Santo é também consolador, ele nos anestesia mediante as dores da vida.

 

Ouro, incenso e mirra, estes três presentes nos lembram a trindade. O ouro lembra a presença santa de Deus Pai, o incenso lembra o sacrifício de Jesus e a mirra lembra a unção do Espírito Santo.

Os magos fizeram uma longa viagem para levar seus presentes e prostrados adorar o Rei Jesus. E você? Tem adorado este Rei? O presente que ele deseja é o seu coração, sua vida no altar. O presente que Jesus quer é sua santidade. Ser santo significa ser separado. É Deus quem te santifica, mas você precisa desejar a santidade, buscar a santidade em Deus. Separar-se de tudo que te afasta de Deus. Isto é ouro.

O presente que ele quer é a purificação dos seus pecados. Quando você se arrepende o sangue de Jesus te purifica e sua oração e sua adoração sobem como agradável cheiro ao Pai. Isto é incenso.

O presente que ele quer é que você tenha o óleo do Espírito, seja morada do Espírito e exale em todo lugar o perfume de Cristo. Isto é mirra.

NATAL! Tempo de fazer novos propósitos espirituais!

DEBAIXO DA CAMISA

DEBAIXO DA CAMISA

 

 

Algo interessante acontece com jogadores de futebol. Quando criança é vira-folha, torce “fielmente” pela equipe que estiver vencendo o campeonato. Perdeu, muda de time. A maioria das crianças não escolhe time, na verdade é escolhida e recrutada por algum time por meio de seus torcedores, geralmente alguém da família. Quando amadurece, o jovem faz sua escolha definitiva pelo mesmo ou algum outro e cresce torcendo apaixonadamente. Fanático, briga pelo time esteja bem ou mal na classificação. Torna-se jogador profissional do time do coração. Porém seu passe é posto à venda e vai para outro, logo o seu maior adversário, contra quem fez seus melhores gols e comemorou cada um com imenso prazer. Recebido em território inimigo, veste a camisa que tanto odiou, beija o brasão que tantas vezes queimou. Abre um sorriso diante das câmeras e promete dar tudo de si, fará o melhor pela nova equipe. É estranhamente desconfortável estar naquele clube, mas o salário é bem melhor. Está ali por necessidade, numa relação profissional. E como dizem… Pagando bem, que mal tem?

Coisa parecida ocorre por aí com inúmeros cristãos. Apesar de a maioria ter se tornado cristão na infância por influência dos adultos, ao alcançar certo crescimento espiritual muitos vestem conscientemente a camisa “eu sou de Deus!”. Defendem sua crença, brigam por sua bandeira. Têm aversão ao time adversário, pertencente ao príncipe das trevas, até que. Até que percebe que a torcida do time adversário é muitíssimo maior e mais organizada, faz uma bela festa. Até que o time adversário não é tão ruim como parecia, é muito violento, mas dizem que isto é garra. Não é o time do coração, mas lá os jogadores ganham fama rápido. E o salário é irrecusável. E o jovem vai se rendendo. Seu passe não está à venda, então abandona seu time. Seu preço vale tanto quanto sua cobiça, e se vende ao time do inimigo. Recolhe na lixeira os baixos valores que antes desprezava. Mas felicidade edificada sobre areia dura até que. Até que o jogador começa a ser jogado para o escanteio. Até que, colocado na reserva percebe que o brilho desta glória é tão efêmero quanto pó de glitter e que os valores que estão agora na sua lixeira é que são os verdadeiros e eternos.

Temos nas mãos o maior poder que o homem pode exercer: o da escolha. Se após rejeitar Deus, nos humilhamos e escolhemos voltar atrás, encontraremos na porta do antigo Clube o Presidente, que está sempre na torcida pelo nosso retorno à equipe dos santos, os separados para Deus. O Pai que está no céu vê o coração sedento pela proximidade de Deus e diz ao Filho: este é dos meus. O Filho mostra ao adversário o recibo do passe comprado por alto preço de sangue, resgata o novo filho e o entrega ao Espírito. 1 E o Espírito sela o filho de Deus e define a sua posição no time como jogador ou na equipe técnica, conforme o dom que libera a cada um. Na torcida inúmeros milhares de anjos comemoram a nova aquisição para o time.

No time da Luz não há estrelas, o passe de todos foi comprado do reino das trevas pelo mesmo preço. Somos igualmente amados, todos escalados para a Seleção de Deus e o Senhor e a nossa bandeira. 2 Mas Ele requer fidelidade. Não tem como dizer: “Senhor, estou jogando na outra equipe, mas estás no meu coração…”. Deus está em quem está nele, mergulhado nele por inteiro. 3 Não aceita coração parcial, esta bola Ele não divide com ninguém. Ele não se importa com a camisa, se o brasão é de um grupo cristão ou do outro, ele vê por dentro. E prometeu que um dia dará a todos os seus um único uniforme, todo branco. 4

Trevas versus luz. Federações sob governos tão divergentes trabalham com regras tão diferentes que mesmo um jogo amistoso torna-se complicado. Abrir mão de um direito em favor da paz: para um é falta grave, para o outro é gol de placa. Mentir para se dar bem: para um merece aplauso, para o outro é cartão amarelo. Para o time das trevas, enganar o Juiz faz parte do jogo, porém o time da Luz sabe que é impossível enganar aquele que vê o avesso. O time das trevas é truculento e mais astuto. O time da Luz é minoria e recebe pancada, mas isto não importa. O importante é a confiança na vitória com a mesma alegria e tranquilidade de quem revê o vídeo da vitória de seu time numa final. João viu o filme e revelou em detalhes no livro de Apocalipse. 5 Satanás já sabe que é derrotado. Então, filho da Luz, está desanimado por quê? Tem medo de quê? Jesus garante nossa goleada final!

Por isso pare de dar carrinho ou cotovelada para defender sua fé, Jesus não precisa ser defendido, é Advogado, ele é que nos defende. 6 Você não tem que entrar em discussões tolas a fim de defender título algum, Jesus já conquistou para você o maior título que alguém pode ter: filho de Deus! Simplesmente honre esta conquista fazendo o que um filho de Deus deve fazer: amar a Deus acima de tudo e ao próximo com a mesma porção de amor que reservar para si. Testemunhe com atitudes, isto é driblar com ginga e jogar com arte.

A questão é: debaixo de sua camisa, por quem pulsa seu coração?

 

REFERÊNCIAS:

1 – 1 Pedro 1:18,19

2 – Êxodo 17:15

3 – João 15:4 e 17:21

4 – Apocalipse 7:9

5 – Apocalipse 19 e 20

6 – 1 João 2:1,2

PROMISSÓRIA

PROMISSÓRIA

 

          Um pai muito rico em amor e bens tinha dois filhos. Quando ambos atingiram a maioridade, o pai decidiu dividir a herança, passando a viver somente com sua aposentadoria, que era muitíssimo alta. O pai chamou os filhos para passar-lhes sua fortuna, dando-lhes a seguinte recomendação: “Consegui juntar estes bens com muito esforço, me custou muito, mas a vocês não está custando nada. Espero que saibam dar valor e fazer multiplicar. Uma única coisa lhes peço: Não deixem de repartir com quem precisa. Foi o que sempre fiz e isto não diminuiu minha riqueza, pelo contrário, me tornou ainda mais rico.”

          O filho mais velho, muito ambicioso e egoísta, aumentou sua fortuna não importando os meios: suborno, contrabando, sonegação, tráfico de drogas, oprimia e explorava as pessoas. Isto lhe custou muita perseguição por parte de seus inimigos e da polícia, levando-o à falência. O outro filho, apesar de um ano mais novo, era mais sábio e justo. Nunca esqueceu o conselho do velho pai e sempre ajudou a todos que cruzassem seu caminho, sem esperar nada em troca. E aos poucos foi enriquecendo mais.

          Então o pai chamou o filho mais novo e disse-lhe: Você já recebeu sua herança, mas minha aposentadoria é muito mais do que preciso para viver. Vou lhe passar mensalmente a maior parte do que ganho, pois vejo que tem tirado do que é seu para ajudar muitas pessoas.

O filho mais velho, ao saber da atitude do pai, foi procurá-lo. Arrogante, questionou: “Por que o senhor está dando grande parte do que recebe para meu irmão e não dá nada para mim? Isto é injusto! Bem que eu sempre achei que você ama muito mais a ele que a mim…”. Calmamente, o pai respondeu-lhe: “Meu filho, eu amo você tanto quanto ao seu irmão. A herança que entreguei a vocês lhes pertencia por direito e dividi igualmente. Mas o salário que recebo pertence a mim, e decidi premiar seu irmão pelo uso sábio que faz de tudo o que lhe dei, a atitude dele me traz prazer. Mas você tem usado mal o seu dinheiro, tem destruído a vida de outros e também a sua. Só poderei abençoá-lo mais, no dia em que se arrepender e mudar de vida, senão serei cúmplice de seus erros.”

         

          Assim também age nosso Pai Celeste conosco. A vida é uma rica herança que deu a todos igualmente. Porém aqueles que a usarem para fins egoístas e destrutivos se privarão de inúmeras bênçãos adicionais que o Pai deseja nos dar. Uma delas é o perdão. Por isso Jesus nos ensinou a orar: “Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores”, e explicou: “pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas” 1.

          Como Deus vai liberar sua paz e refrigério a um coração endurecido pelo ódio e envenenado pela amargura, porque continuamente se recusa perdoar alguém? Sim, o perdão de Deus é condicional, mas para o nosso próprio bem. Assim ele nos convence a mudar de atitude. Se alguém cometeu um erro contra você, então você possui uma promissória contra esta pessoa, guardada em seu coração. Não espere que a pessoa lhe peça perdão, talvez ela nem saiba que lhe magoou. Mas se o coração dela estiver endurecido não justifica o endurecimento do seu coração, porque “cada um dará conta de si mesmo a Deus” 2. Mesmo que a pessoa não se arrependa, Deus quer que a perdoe, pois o principal beneficiado será você ao se livrar de todos os efeitos colaterais deste veneno chamado mágoa ou ódio. Decida perdoar independente de seus sentimentos. Decida perdoar independentemente se a pessoa merece ou não, o perdão é um ato da graça, assim como Jesus na cruz liberou perdão à humanidade sem que o mereçamos. Peça a Deus e ele o capacitará a perdoar. Rasgue a promissória!

          E se foi você que magoou alguém, peça perdão, não adie mais este acerto onde você é devedor. Há quem pense que não adiantará pedir perdão porque não poderá voltar ao passado e consertar o erro. Isto é na verdade uma tentativa de proteger o ego, poupando-o de humilhar-se. Pedir perdão não é fácil, esmaga nosso orgulho. Mas é justamente esta sensação desagradável de vergonha ao admitir ter errado que nos servirá de desestímulo a errar de novo. A impunidade não estimula o arrependimento, que é fundamental no processo de mudança de atitudes. Se você tem dificuldade em arrepender-se é sinal de dureza de coração, o que só lhe afasta de Deus e quanto mais se afastar de Deus, mais ofenderá aos outros e atrairá ofensas contra você. “No que depender de vocês, tenham paz com todos os homens” 3.

 

1 Mateus 6:12,14,15

2 Romanos 14:12

3 Romanos 12:18

XEROX

XEROX

 

Somos todos como máquinas Xerox que tiram cópias a partir de outras cópias ruins. Intelectualmente avançamos dia a dia em todas as ciências. Infelizmente no sentido moral, a tendência da raça humana é piorar, os sintomas são nítidos. Nossos primeiros pais se corromperam e a cada cópia se perde mais um pouco da perfeição inicial.

Algumas poucas máquinas com maior manutenção conseguem melhorar a cópia escurecendo-a, mas jamais recuperando completamente os detalhes perdidos de uma cópia para outra. O Fabricante então, em seu tempo, vem pessoalmente a esta pequena repartição do universo chamada Terra, trazendo uma mensagem: “Sou a imagem do Deus invisível e incorruptível. Sou seu referencial. Copiem-me, é assim que devem ser. É tempo de recomeço sobre novo fundamento: a graça de Deus.”

Quando colocamos Jesus em nossa máquina, a nossa vida, a cópia não fica perfeita, pois a máquina não é. Porém quanto mais persistimos em copiá-lo, mais nos aperfeiçoamos. Tanto mais perto o observamos, novos detalhes descobrimos para acrescentarmos ao nosso processo de voltar a ser plena imagem e semelhança de Deus. Ele conhece de perto nossas limitações, nem por isso baixou o alvo: “Seja santo, porque Eu sou santo”. (1 Pedro 1:15). Como me parecer com Deus? Andando como Jesus andou, pé sobre pé em suas pegadas aqui deixadas: “Mas, se alguém obedece à sua palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus está aperfeiçoado. Desta forma sabemos que estamos nele: aquele que afirma que permanece nele deve andar como ele andou”. (1 João 2:5 e 6).