Minhas Poesias

Sentimentos desenhados com palavras…

VIAGEM A DOIS

                             

Vida a dois é uma viagem,

duas pessoas que se amam

entram no mesmo barco,

buscam a mesma direção.

Se o mar se agita,

unir as forças facilita

controlar a embarcação.

 

Marinheiros, ao passar aperto,

não abandonem o barco,

firmem o leme, busquem acerto.

A experiência traz maturidade,

sempre vem a calmaria

depois da tempestade.

 

Os filhos em algum momento

juntam-se à tripulação,

mas não por muito tempo,

logo vão buscar

a própria embarcação.

Mantenham sempre apertadas

as amarras e os nós.

A amizade, o companheirismo

sustentam o relacionamento

quando novamente a sós.

 

A viagem é sempre agradável,

havendo cumplicidade

em mar calmo ou revolto.

Quando um é sucesso,

seja o outro, apoio;

Quando um é fracasso,

O outro seja conforto;

Se um se agita,

o outro seja âncora;

Se um está inseguro,

o outro seja o porto.

 

Não remem em direções contrárias,

seja qual for a situação.

Sigam o rumo apontado

na bússola do coração.

Vão sem medo do mar aberto,

sem medo do vento incerto,

confiem no motor,

é potente, nunca falha,

se o combustível for o amor.
.

 

DÚVIDAS…  (para minhas amigas)

.

Estou com muitas dúvidas…

Você é especial porque é minha amiga

ou é minha amiga porque é especial?

Você está sempre por perto tanto mais te aprecio

ou te aprecio tanto por estar sempre por perto?

Nossa amizade é sadia porque não há cobranças

ou não há cobranças porque nossa amizade é sadia?

Você me aceita quanto mais sou sincera

ou sou mais sincera porque me aceita como sou?

Quando estamos juntas a gente não vê o tempo passar

ou o tempo não passa quando a gente não se vê?

Se eu sou eu e você é você,

porque às vezes tenho impressão

que você sou eu e eu sou você?

Quanto mais te vejo mais saudade tenho

ou tenho mais saudade quando te vejo menos?

Precisamos nos encontrar mais para buscar respostas

ou precisamos buscar respostas para nos encontrar mais?

De uma coisa tenho certeza: quero sempre ser sua amiga,

pois você é a amiga que sempre quero ser…

 

 

FELICIDADE

 

Para muitos, felicidade

é apressado colibri,

voa ligeiro, aqui e ali;

um momento colorido,

passageiro,

e quando se pensa agarrar,

desaparece no ar.

Para muitos, felicidade

é bola de sabão,

distraída, brilhante;

um momento leve,

flutuante,

e quando se pensa pegar,

desmancha-se no ar.

Para mim, felicidade

é um jeito de ser,

pois ser feliz não é ter,

é feliz quem quer ser…

Ser otimista,

sem perder a realidade;

Ser indivíduo,

sem perder relacionamentos;

Ser rico em valores,

os que se guardam no coração…

Das emoções,

guardar nobres sentimentos;

do passado,

guardar bons momentos,

do futuro, aguardar o melhor.

Para mim, felicidade

vem de dentro

e brota no olhar.

É o jeito de se ver a vida,

porque ser feliz

é ser eterno aprendiz.

Como o vaso de barro,

que transborda água fresca

e sacia o sedento.

Antes foi só barro,

até ser amassado, pisado,

modelado e assado,

até que aprende

a se transformar.

Feliz o barro que confia

no Oleiro do universo

e o deixa trabalhar.

Quem tem fé em Deus,

e aprende com a criança

o caminho da humildade,

nunca perde a esperança

e sabe bem o que é

felicidade!

 

 

MINHA CONFIDENTE

 

Lá está ela,

como sempre silenciosa,

falando forte ao que é sensível,

quem vê além do visível

e ouve com o coração.

Lá está ela…

Cada vez mais audível

atravessa a calada da noite,

corta as trevas como açoite,

sangra-me o coração,

arranca-me um canto

cheio de esperança

e de ilusão…

Lá está ela…

em todo seu esplendor,

deixando-me encantada,

hipnotizada,

aumentando a saudade

ao me lembrar que alguém,

naquele momento,

encanta-se também.

Lá está ela…

Reinando na noite,

manto de brilhantes,

tornando minh’alma nua,

minha grande amiga,

minha confidente…

a lua!

 

 

AMOR À PRIMEIRA VISTA

 

Quando te conheci,

meu Amado,

foi amor à primeira vista

somente da minha parte.

Tu me amaste primeiro,

antes de eu existir.

Antes que eu fosse gerada,

já me conhecias.

Antes que me perdesse,

me buscaste.

Antes que existisse tudo,

renunciaste tudo por mim

e já me esperavas no altar.

Nossa história de amor

foi selada no coração

com aliança de sangue

e juras de amor.

Casamos por procuração,

enviaste o Consolador

e foste preparar nosso lar.

Não me prometeste um final feliz,

minha felicidade não terá fim.

Sei que estarás comigo na dor,

tentarei ser fiel na alegria.

Sei que estarás comigo na pobreza,

tentarei ser fiel na riqueza.

Sei que estarás comigo na doença,

tentarei ser fiel na saúde.

Até que a morte nos una completamente…

.

.

A LAGARTA  E A BORBOLETA

 

Um arbusto no meio da floresta

esconde esfomeada lagarta.

Uma a uma as folhas devora,

porém nunca está farta.

.

Uma borboleta silenciosa

vem numa folha pousar,

próxima a uma poça de chuva,

que o sol insiste em secar.

.

A lagarta fica a admirar,

a criatura tão maravilhosa,

que se observa na água

esfregando as patinhas, vaidosa.

.

A lagarta tanto se encanta,

que até da fome se esquece.

“Quem me dera fosse tão bela!

Ah! Se voar eu pudesse…”

.

Quando percebe a lagarta,

a borboleta fica assustada.

Nunca vira criatura mais feia,

nem se sentira tão invejada.

.

“Como pode ser assim tão feia?

Sua feiura está me assustando!”.

A lagarta tece um casulo

e nele se esconde chorando.

.

É chegada a metamorfose,

sua sorte, enfim, mudara.

A lagarta então se transforma

em borboleta de beleza rara.

.

Na vida já vi borboletas

esquecidas do que são;

cegas de tanto orgulho

pisam os que estão no chão.

.

Mas também conheci lagartas

que não vêem em si beleza,

não vêem os dons possuídos,

que a todos concedeu a natureza.

.

Quem hoje no chão rasteja

não sinta inferioridade,

a espera no casulo é passagem

pro voo da beleza e liberdade!

.

Quem se acha melhor que os outros

torna a vida tola e vazia;

Borboleta sábia nunca esquece

que já foi lagarta um dia!

.

.

PEDRAS

 

Pedras são palavras,

palavras são pedras

de uma construção.

Algumas são brutas, ásperas,

arranham, fazem feridas,

constroem muralhas, separação.

Outras a são lisas, arredondadas,

constroem pontes

de coração para coração.

.

Há palavras sujas, pesadas,

no meio da estrada

pra fazer tropeçar.

Caminho sem pressa,

recolho estas pedras,

construo um caminho

pra quem quer passar.

Há pedras grandes

e também pequenas

contra mim atiradas

em meu caminhar.

Recolho estas pedras,

após lavadas, lavradas,

construo um abrigo,

um aconchego

pra quem precisar.

Com as palavras de amor,

pedras lapidadas,

cristalinas, preciosas,

construo um altar,

onde agradeço

ao Deus da minha vida,

ter sempre um amigo

com quem posso contar.

.

.

O EUCALIPTO E O BAMBUZAL

 

Havia um imenso eucalipto,

nascido ao pé de uma serra.

Tão forte, alto, e tão bonito,

como poucos naquela terra.

O imponente gigante se erguia,

orgulhoso da sua estatura.

“Não preciso de outra companhia,

não há ninguém à minha altura “.

.

Próximo dali descia um rio,

às margens nasceu um bambuzal,

que ao ouvir do vento o assobio,

se inclinava conforme o vendaval.

Os bambus permaneciam juntos,

venciam temporais com agilidade.

Sabiam ser mais fortes em conjunto,

compensando assim sua fragilidade.

.

Soprou um dia tão forte vento,

e ao rígido eucalipto tombou.

Também caiu no esquecimento,

só cupins, nada mais dele restou.

É tolo quem se torna inflexível,

e os próprios erros se recusa ver.

Quem é humilde, maleável, solidário,

encontra a sabedoria de viver.

.

.

DE QUE ADIANTA

 

De que adianta poder falar

e não ter uma palavra de conforto ou de encorajamento para o angustiado?

De que adianta ter coração

e só senti-lo bater no prazer egoísta e desenfreado?

De que adianta ter pés

e andar em caminhos que conduzem à autodestruição?

De que adianta ter olhos para contemplar o que é efêmero

e não ter visão interior para olhar o eterno?

De que adianta todo o poder do mundo

e não conhecer o poder do amor?

De que adianta ter acesso a todos os bens de consumo

e se consumir a si mesmo?

De que adianta gastar bilhões para explorar o universo

e ignorar o universo de famintos ao redor?

De que adianta ter um trabalho altamente rentável

e se tornar uma miserável máquina insensível ao outro?

De que adianta astúcia para grandes investimentos

e não investir tempo de qualidade nos relacionamentos?

De que adianta construir uma bela casa,

 e não construir sobre o alicerce do amor?

De que adianta estar rodeado por um mar de pessoas,

e não ter um amigo com quem desabafar?

De que adianta ter sucesso com o sexo oposto

e desconhecer o sentimento único do amor fiel e de ser único de alguém?

De que adianta planejar cada detalhe do dia

e não buscar a direção daquele que planejou cada detalhe do universo?

De que adianta acumular todo o conhecimento e experiências

e não desvendar a sabedoria de viver?

Não basta sobreviver…

Precisamos saber viver!

.

.

INSTRUMENTO

 

Como um instrumento bem afinado

e tocado com perfeição,

assim quero ser em tuas mãos.

Quero ser dedilhado pelo teu Espírito,

estar afinado com teu diapasão.

Quero ecoar os sons que refletem teus desejos,

cumprindo assim teus propósitos.

Quero entoar as melodias que nascem no teu coração

e ofertá-las a ti em verdadeira adoração.

Que meus dias sejam contínuo louvor

ao Deus da minha vida,

e minhas noites serenatas de amor.

Que minha vida seja um dueto,

o meu e o teu Espírito em total harmonia,

e alcance os ouvidos dos sedentos por ti

em doce melodia.

Que o teu Corpo, esta orquestra

com instrumentos tão diversificados,

de timbres tão diferenciados ,

todos estejam vibrando pelo teu poder,

no mesmo tom, igual afinação,

executando a mesma partitura,

tendo teu Espírito como Maestro

e teu Filho como inspiração.
.

SEGUNDA-FEIRA

 Amanhece segunda-feira.

Nas favelas e sacadas

a cidade se espreguiça.

Pardais disputam as árvores,

as poucas que encontram,

entre pios e bicadas.

O sol tenta aquecer a cidade,

mas é proibido

por estranhas nuvens químicas.

Uma brisa matinal sugere

que se abram as janelas,

descascadas, amarelas…

Para alguns começa a labuta,

para os trabalhadores da noite

apenas continua a luta.

Os ônibus sobem as ladeiras,

os motores a gemem.

Para caber mais lucro

passageiros se espremem

em desconforto não passageiro.

As mesmas caras estranhas de sempre.

Se apertam sem se tocar.

Se olham sem se ver.

Camelôs insistentes

ganham no grito

o direito de sobreviver.

O pivete espreita sua vítima,

que não é mais vítima

do que ele vem a ser.

Nas calçadas,

consumidores olham vitrines

em longo namoro,

disputando espaço

esquecem o cansaço.

Nos bancos,

as procissões seguem lentas,

rendendo homenagem ao dinheiro,

o santo padroeiro.

Atravessam a avenida

os robôs engravatados,

sorrisos automáticos,

programados pra lucrar.

Na contramão caminham as gentes,

corações solidários,

gestos sorridentes,

guerreiros, pagam até pra respirar.

Mudaram-se pra cidade

tentando mudar a sorte;

Diferentes caminhos a cidade oferece,

há caminhos de vida,

mas também caminhos de morte.

Ao cair da noite,

novamente os ônibus lotados.

Agora transportam o suor do dia,

o descontentamento calado

retorna à periferia.

Para muitos o alívio

de voltar pra casa vivo.

Para outros, hora de lamentar

por não ter pra onde voltar.

É hora do monólogo da televisão,

hora de recarregar energia,

pois amanhã recomeça a velha rotina

na embalagem de um novo dia.

 

 

MÃE, AMIGA ESPECIAL

 

Todas as pessoas

Que Deus colocou em meu caminho

Todas são importantes pra mim

Mas há alguém que está sempre comigo

Se está tudo bem

Se tudo está mal

É quem me deseja sempre o melhor

Minha mãe, minha amiga especial

 

Meu amor por você não vai acabar

Nem a distância vai nos separar

Agradeço por tudo o que fez por mim

Pelo carinho e os cuidados seus

Conte comigo todo momento

Mamãe, você é um presente de Deus

 

Sei que sou criança

E ainda vou crescer,

Mas comigo vai crescendo

Meu amor por você

 

 

DUELO DE COMPADRES

 

Dois compadres repentistas

Numa esquina se encontraram

E começaram a duelar.

São Tonico e Zezito,

Como arma o violão

E em cada língua afiada

Um ditado popular…

 

Tonico:

 

Meu compadre, o que há?

Tu estás tão esquisito!

Uma coisa é bem verdade

Tu nunca foste bonito.

Não adianta fazer plástica,

Nem ginástica ou ter conforto.

O ditado diz que “pau

Que nasce torto morre torto”!

 

Zezito:

 

Ô compadre, não me lembro

De te ver tão acabado

Parece que uma carreta

Te deixou atropelado.

Queria ver gente bonita,

Que um elogio merece,

“Mas quanto mais eu rezo

Mais assombração aparece”!

 

Tonico:

 

Meu compadre, por favor,

Me deixa quieto num canto,

Vai cuidar da tua mulher,

Que a todos traz espanto.

Ela é feia que dá dó,

Mas você fica contente

É porque “cavalo dado

Não se olha os dentes”!

 

Zezito:

 

Mas se ela é assim

Sei quem deve ter puxado

O teu pai pulou a cerca

E tu és o meu cunhado.

No momento que nasceste

Tua família disse: ”Ai, ai!”,

Não queriam o registro,

“Filho feio não tem pai”!

 

Tonico:

 

Por favor, caro compadre,

Não mexa com minha família,

Acho bom abrir o olho

E cuidar da tua filha.

É tão burra quanto feia,

Assusta até defunto fresco,

Não me importo, pois “pimenta

Nos olhos dos outros é refresco”!

 

Zezito:

 

Já que fui desafiado,

Agora não vou desistir,

“Dou um boi pra entrar na briga

E uma boiada pra não sair”.

Tu não vais me vencer,

É melhor fazer acordo.

“Praga de urubu velho

Não mata cavalo gordo”!

 

Tonico:

 

Não pense que estou com medo,

A minha língua te arrasa,

Mas vamos parar por aqui,

“Roupa suja se lava em casa”.

Não é bom provocar briga

Com quem a gente não gosta,

“Em lagoa que tem piranha,

Jacaré nada de costas”!

 

Zezito:

 

Começaste o desafio,

Mas “deu o braço a torcer”.

“Cutucou onça com vara curta”,

Mas agora quer correr.

Dizem que “macaco velho

Não põe a mão em cumbuca”

Então dê um abraço amigo,

“Antes tarde do que nunca”!

7 comentários sobre “Minhas Poesias

  1. Olá, Leila… Descobri por acaso seus textos e estou adorando… Sua perspicácia para expressar o sentir, o sonhar e o pensar são suaves e despertam o desejo de ler cada vez mais… Um grande abraço e que o Senhor nosso Deus continue te guiando e iluminando dessa maneira com palavras e lindos ensinamentos…
    Não sei se o problema é o meu navegador, mas não consegui curtir ou comentar os textos individualmente, que pena…
    Tenho escrito alguns textos também, mas estou no início ainda…
    Sucesso…

  2. nossa são realmente poesias lindas, que falam com a gente quando lemos, e que são a mais pura verdade, do que o casal esta vivendo.

  3. Que a paz do Senhor esteje contigo. Gostei das poesaias, serás a minha fonte, continua assim…
    Sou o Osvaldo (osvald2008@hotmail.com) Poéta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s